Depois de passar pela bateria de uma das bandas teen de maior sucesso do Brasil, a Restart, Thomas Alexander, 25 anos, abre espaço na sua agenda de atual produtor musical e músico para dar aulas de bateria. Em entrevista ao plikko, Thominhas, como é conhecido, que começou na bateria com apenas 12 anos e, com 18, fundou o Restart com seus amigos de colégio, explica como funcionam suas aulas e o que um aluno precisa para se dar bem como músico.

Por Nicole Thomaso

Pode nos contar como foi ter tocado em uma das bandas teen mais conhecidas do Brasil?

Foi incrível. Muita coisa aconteceu, mas a melhor oportunidade que tive foi ter conhecido uma grande parte do Brasil, assim como alguns lugares do exterior. Além de, claro, ter realizado um dos maiores sonhos da minha vida, que foi ter mostrado a minha essência através da minha música, junto com meus três irmãos, Pe Lanza, Pe Lu e Koba.

Com o fim da banda, em 2015, no quê você tem investido seu talento?

No momento, estou muito feliz lançando um projeto como cantor. Então, meus planos continuam sendo em trabalhar com a música, tanto como cantor, como, principalmente, baterista. Decidi dar aulas, pois a bateria continua sendo minha vida, tenho facilidade em ensinar as pessoas e, sendo assim, continuo em contato com meu antigo público também.

Suas aulas funcionam como? Você leva a bateria ou a pessoa precisa ter?

Atendo sempre na casa do aluno. O primeiro requisito para as aulas é ter uma bateria própria, pois é muito pesada e complexa para levar e montar na casa de outras pessoas. Com uma bateria simples, já consigo atender e ensinar.

Quais são as maiores dificuldades para o aluno que se lança com pratos e baquetas?

Trata-se do método Pozzoli, destinado para pegar o ritmo e percepção musical. É um exercício que você rala para aprender, mas uma hora sai. Não dá para desanimar, a música é um curso em constante evolução.

Exsiste uma primeira dica que você daria ao leitor do plikko que quer aprender a tocar?

Se dedicar e estudar. Deixei muitas coisas e momentos de lado para estudar e focar quando moleque, e hoje sou muito grato a isso. A bateria me ensinou a ter disciplina, e isso os alunos precisam ter.

Quantas aulas são necessárias para que uma pessoa comece a tocar minimamente bem?

Depende da evolução de cada aluno. Não existe uma fórmula ou tempo específico para se tornar um baterista. Até porque o principal é estudar. Quando mais se estuda, mais rápido você pega. E outro ponto é que, para se tornar um músico, você precisar sentir a música.

Quais os maiores desafios envolvendo a profissão tanto de baterista, como a de professor de bateria?

Dar aula é totalmente diferente do que tocar. Você precisa passar de um jeito para que o aluno continue interessado. As aulas têm de ter um método e uma dinâmica boa de acordo com a evolução do aluno, para não acontecer o que vejo bastante por aí, o professor acaba segurando o aluno para ganhar dinheiro, não ensinando de forma devida.

Você trabalha com preços fixos? Cobra as aulas por hora?

Cobro por aula. Normalmente, uma vez por semana para que o aluno tenha tempo de estudar e nas futuras aulas já comece a progredir.

O que a música representa para você?

A música é minha vida. Na verdade, acho que todos nós não vivemos sem. Ela te leva para onde quiser, passado, futuro, presente, ambientes, para várias sensações.

Ainda não tem o app do Plikko? 

O app do Plikko é uma ferramenta que entende o seu tempo para encaixar o compromisso que você precisa. De maneira totalmente gratuita, colocamos você em contato com muitos clientes e uma variedade enorme de prestadores de serviços. Baixe agora.